sábado, 27 de dezembro de 2008

REMANDO CONTRA A MARÉ

É complicado seguir uma tendência que não é a da maioria. Quantas vezes já se sentiu diferente, excluído ou sozinho, por não agir de acordo com a maioria? Tenho certeza que pelo menos uma vez... O que fazer nessas horas? Anular-se? Fingir ser o que não é? É bem verdade que o ser humano é um ser social e que para tanto deve ser maleável, mas é necessário saber o limite entre a maleabilidade e a anulação de personalidade pois, conforme já disse em outro texto aqui no blog, anular-se pode, inclusive, AFASTAR as pessoas. O "ponto ideal", na minha humilde opinião, é aquele em que a convivência com os outros torna-se saudável e não "fere" a nossa personalidade. Como fazer isso? Conheça BEM a si próprio e veja quais pontos você pode abrir mão, ( que são aqueles que não vão de encontro aos seus valores) e faça isso, quando necessário; quanto ao restante, defenda-os com "unhas e dentes", afinal, como também já foi dito aqui, os outros TAMBÉM têm de te aceitar como você é! Ninguém é melhor ou pior do que ninguém!

Com carinho,

Márcio Aragão

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

A LINHA ENTRE VOCÊ SER LEGAL E FAZER PAPEL DE BESTA É MUITO TÊNUE

Meus amigos e amigas, venho agora por esse texto, me dirigir a vocês para discutirmos e raciocinarmos, juntos, sobre um tema muito importante: até onde devemos ser maleáveis em nossos relacionamentos, sejam eles de amizade, namoro, casamento, enfim, QUALQUER tipo de relacionamento? Porque, digo por experiência própria, tentar ser bonzinho demais também afasta as pessoas... Fazer TUDO que as pessoas querem, também afasta as pessoas... Porque? Porque isso passa a imagem que nós não temos personalidade, que não temos garra para defender nossas opiniões e, consequentemente, muitas pessoas interpretam isso como um sinal de fraqueza. Demorei para aprender isso, mas aprendi, e quero compartilhar com VOCÊ, que ainda não conseguiu enxergar as coisas a esse modo. A informação está aqui, e espero que use-a da forma que melhor se adequar à sua vida.

Veja que não digo que não devemos nos adaptar às diferenças e excentricidades das pessoas que convivemos, até porque isso por si só geraria um caos tão gigantesco que qualquer tipo de relacionamento seria simplesmente impossível! O que quero dizer é que as adaptações devem ser feitas dentro de limites, afinal, a pessoa TAMBÉM tem de te aceitar do jeito que VOCÊ é! Jamais anule-se por outra pessoa, ou coloque-a em um pedestal, pois não há ser humano que mereça esse lugar. Todos são iguais e TODOS devem se adaptar uns aos outros, sem perder a sua essência. Pense nisso cuidadosamente.

Com carinho,

Márcio Aragão

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

"Para ser bom, acerte sempre, para ser ruim, erre apenas uma vez"

Esse foi um dos conselhos que meu falecido pai me deu, e confesso que, embora cruel, reflete a triste realidade do mundo hoje.  Porque isso acontece? As pessoas exigem perfeição e se falhamos, no mínimo, ficam com o famoso "pé atrás". É preciso entender que nem Jesus agradou a todos e nós, como humanos que somos, estamos sujeitos a erros. Importante: O QUE DEFINE O CARÁTER DE UMA PESSOA NÃO É A QUANTIDADE DE ERROS QUE ELA COMETE, MAS SIM SE ELA TEM A CAPACIDADE DE APRENDER COM ESSES ERROS.

Tenha a capacidade de perdoar e lembre-se que da mesma forma que aquela pessoa errou com você, você provavelmente já errou com ela. Qualquer tipo de relacionamento, seja namoro, amizade, coleguismo, consiste em troca de experiências e aprendizado. Pense nisso.

Com carinho,

Márcio Aragão

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

MUDANÇA

A mudança sempre é  algo difícil e muitas vezes doloroso. E o pior? As "benditas" recaídas ( por recaídas entenda aqueles momentos em que você exclama "CONSEGUI" e logo depois BUM, está agindo exatamente da mesma forma que antes da "mudança"). Não sei o que é pior, se encarar a mudança do zero, ou achar que mudou e se decepcionar com uma frustrante recaída. Mas meu amigo e minha amiga, não se desespere se isso estiver acontecendo com você nesse momento. Segundo o psiquiatra Augusto Cury, autor de vários livros de auto-ajuda, uma vez que uma informação entra em nossa mente, ela jamais pode ser apagada, mas somente reeditada... ( por exemplo, se vc por algum motivo associa uma barata a um monstro devorador de gente, essa informação sempre estará lá, nunca deixará de existir, mas pode ser mudada, reeditada). Não sou psiquiatra nem nada do tipo, sou apenas um jovem de 22 anos mas, penso eu, essa é a principal ( e talvez única) causa dessa batalha árdua para causarmos mudanças em nossas atitudes, mudanças essas muitas vezes vitais para nosso bem-estar INDIVIDUAL e SOCIAL. Afinal de contas, não adianta estar apenas bem consigo mesmo pois existe uma verdade universal: O SER HUMANO É UM SER SOCIAL! Mas é verdade que você estando bem com você já é 80% do necessário para estar bem com a sociedade! Enfim, voltando às mudanças: "água mole, pedra dura, tanto bate até que fura", já ouviu esse ditado, não? Pois é, isso vale para as mudanças também... Você tentará mudar, terá recaídas, isso durante muito tempo, mas então, quando você menos espera, a "mágica" acontece: seu cérebro finalmente assimila a mudança; seu cérebro tem aquela determinada informação "reeditada". Só exige tempo, perceverança e paciência! Não tem grande segredo, e VOCÊ PODE! Não desista ok?! Muitas vezes quando retornamos pelo caminho que viemos deixamos de dar o passo final e último necessário para chegarmos ao nosso destino.

Com carinho,

Márcio Aragão